Notícias da Paraíba

Polícia Civil de SP pede prisão preventiva de “Casal Braiscompany” e dois funcionários

A Polícia Civil de São Paulo pediu a prisão preventiva de quatro pessoas ligadas à empresa paraibana Braiscompany, que são acusadas de crimes contra a economia popular, associação criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. São alvos dos pedidos os sócios da empresa, o casal Antônio Inácio da Silva Neto (mais conhecido por Antônio Ais) e Fabrícia Farias, e os funcionários Mizael Moreira Silva e Karla Roberta Pereira Alves.

Dos quatro citados pela Polícia Civil paulista, três já estão condenados pela Justiça Federal na Paraíba. Os sócios Antônio Inácio da Silva Neto e Fabrícia Farias foram condenados a 88 anos e 7 meses de prisão e a 61 anos e 11 meses de prisão respectivamente. Eles estavam foragidos, mas foram presos na Argentina e aguardam o processo de extradição. Ele está em regime fechado, ela foi colocada em liberdade condicional. Já Mizael Moreira da Silva foi condenado a 19 anos e 6 meses de prisão.

Justamente por já ter uma ação tramitando na Justiça Federal na Paraíba, o caso foi remetido a Campina Grande a pedido do Ministério Público de São Paulo.

As condenações dos três e de outras sete pessoas ligadas ao esquema criminoso foram assinadas pelo juiz federal Vinícius Costa Vidor, da 4ª Vara Federal em Campina Grande.

Karla Roberta Pereira Alves, no entanto, entra na mira das investigações apenas agora. Sem ter sido citada nas investigações iniciais da Polícia Federal, ela é apontada pelos investigadores paulistas como sendo uma “laranja” que “concordou emprestar seu nome para transferência de um veiculo de marca Ferrari California” avaliado em R$ 1,7 milhões e cujo verdadeiro dono seria Antonio Neto.

A Braiscompany é uma empresa que tinha sede em Campina Grande e filiais em João Pessoa, Recife, Brasília, Salvador, Fortaleza, Rio de Janeiro e São Paulo. Ela foi alvo de investigações a partir de 2022, quando a Polícia Federal na Paraíba começou a investigar suspeitas de um esquema de pirâmide que teria movimentado entre R$ 1,5 e R$ 2 bilhões e feito milhares de vítimas em todo o Brasil.

O relatório final da Divisão de Investigações Sobre Crimes Contra o Patrimônio da Polícia Civil da São Paulo, inclusive, que ficou responsável pelas investigações, classifica a Braiscompany como uma “empresa de pseudoinvestimento” e justifica o pedido de prisão a partir de três valores: a garantia da ordem pública, a conveniência da instrução criminal e a aplicação da lei penal.

As investigações apontam ainda que o casal Fabrícia e Antônio adquiriram muitos bens de alto valor durante o período em análise, fato que demonstraria “uma quantia volumosa movimentada durante um relativo curto período de tempo” e “uma possível estratégia de aquisição de bens com o provável intuito de camuflar o dinheiro adquirido de maneira espúria”.

Esse dinheiro serviria também para manter a aparência de “sucesso” para assim poder angariar novas vítimas. Assim, prossegue a denúncia, o dinheiro que deveria ser usado para investimentos era desviado para as contas correntes dos sócios da empresa “com a finalidade de ostentar em suas redes sociais uma vida de luxo”.

De toda forma, os investigadores lembram que a Braiscompany oferecia a venda de criptomoedas sob a promessa de um retorno financeiro em torno de 8% ao mês, “uma taxa considerada irreal para os padrões usuais de mercado”.

Segundo investigação, redes sociais apresentavam uma “vida de luxo” para atrais novos clientes — Foto: Instagram/Reprodução
Segundo investigação, redes sociais apresentavam uma “vida de luxo” para atrais novos clientes — Foto: Instagram/Reprodução

Operação contra a Braiscompany
A Braiscompany foi alvo de uma operação da Polícia Federal no dia 16 de fevereiro de 2023, que teve como objetivo combater crimes contra o sistema financeiro e o mercado de capitais. As ações da PF aconteceram na sede da empresa do ‘casal Braiscompany’ e em um condomínio fechado, em Campina Grande, e em João Pessoa e em São Paulo. A operação foi nomeada de Halving.

A empresa, idealizada pelo casal Antônio Ais e Fabrícia Ais, era especializada em gestão de ativos digitais e soluções em tecnologia blockchain. Os investidores convertiam seu dinheiro em ativos digitais, que eram “alugados” para a companhia e ficavam sob a gestão dela pelo período de um ano. Os rendimentos dos clientes representavam o pagamento pela locação dessas criptomoedas.

O que a Braiscompany oferecia?
O ‘casal Braiscompany’ prometia um retorno financeiro ao redor de 8% ao mês, uma taxa considerada irreal pelos padrões usuais do mercado. Milhares de moradores de Campina Grande investiram suas economias pessoais na empresa, motivados pelo boca a boca entre parentes, amigos e conhecidos. Antônio Neto Ais, o fundador da companhia, disse em uma live que gerenciava R$ 600 milhões de 10 mil pessoas.

De acordo com a PF, os sócios da Braiscompany movimentaram cerca de R$ 1,5 bilhão nos últimos quatro anos.

G1 PB

WhatsApp
Telegram
Twitter
Facebook
Digite o assunto de seu interesse: