Notícias da Paraíba

Proporção da população paraibana com rendimento atinge maior nível desde 2012

Do total estimado de 4,07 milhões de residentes na Paraíba, cerca de 62,1% (2,53 milhões) tinha algum tipo de rendimento, uma proporção superior à verificada em 2022, de 58,8% (2,39 milhões). Ressalte-se que esse é o segundo ano de crescimento absoluto e relativo, sendo o maior nível atingido desde o início da série histórica, iniciada em 2012. Os dados são do módulo Rendimento de Todas as Fontes, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2023, divulgado nesta sexta-feira (19), pelo IBGE.

O percentual estadual de pessoas com rendimento em 2023 ficou abaixo da média do Brasil (64,9%), onde ocupa a 13ª pior posição; mas acima da média do Nordeste (60,8%), onde figura como o 3º mais elevado, ficando atrás apenas de Sergipe (62,6%) e da Bahia (62,5%).

No estado, em 2023, o rendimento médio real de todas as fontes, que inclui as categorias Rendimento de todos os trabalhos e Rendimento de outras fontes, foi de R$ 2.130, um crescimento de 10,6% em relação ao de 2022 (R$ 1.925) que, por sua vez, cresceu 8,8% em relação a 2021 (R$ 1.770), de forma a superar as reduções ocorridas em 2020 (-4,2%) e 2021 (-4,5%). Ressalte-se que, com esse resultado de 2023, atingiu-se o maior valor da série histórica iniciada em 2012. Esse valor foi superior ao valor médio da região (R$ 1.885), mas inferior ao do país (R$ 2.846).

No contingente de pessoas cujos rendimentos eram provenientes de “outras fontes de renda”, a maior participação populacional, de 17,2% (701 mil pessoas), foi a do grupo que recebia “outros rendimentos”, subdivisão que abarca programas de transferência de renda e rentabilidade de aplicações financeiras. Em 2022, esse grupo era formado por cerca de 587 mil pessoas e representava 14,5% da população paraibana.

Nesse caso, o rendimento médio auferido era de R$ 775, em 2023, o que aponta para um crescimento real de 19,6% em relação ao valor observado em 2022 (R$ 648), atingindo o maior valor da série histórica, sendo muito próximo ao valor verificado no início da pandemia da Covid-19, em 2020 (R$ 773).

Outra parcela importante desse contingente é a que recebia rendimento de “aposentadoria e pensão”, embora tenha perdido participação, passando de 13,3% (539 mil pessoas) da população estadual, em 2022, para 12,9% (525 mil pessoas), em 2023. Por sua vez, o rendimento médio dessa população registrou alta de 15,8% (passou de R$ 1.809 para R$ 2.094, respectivamente), recuperando parcialmente as perdas ocorridas em 2020 (-6,4%), 2021 (-7,8%) e 2022 (-3,9%).

No caso das pessoas que recebiam “pensão alimentícia, doação e mesada de não morador”, houve elevação entre 2022 e 2023 tanto na participação em relação à população estadual, de 2,6% (106 mil pessoas) para 3,1% (125 mil pessoas), quanto no rendimento médio real, de 12,9% (passou de R$ 415 para R$ 489, respetivamente).

O grupo de pessoas que tinham “aluguel e arrendamento” como fontes de renda, embora tenha crescido em participação, de 1% (41 mil pessoas) para 1,3% (55 mil pessoas) da população paraibana, entre 2022 e 2023, permaneceu como minoritário. O rendimento médio desse grupo, no último ano, foi de R$ 1.553, valor esse que foi 0,3% maior do que o auferido no ano anterior (R$ 1.548).

Rendimento do trabalho na PB passa a ser o maior entre os estados do Nordeste
Entre 2022 e 2023, o rendimento médio mensal real de todos os trabalhos das pessoas de 14 anos ou mais de idade residentes na Paraíba cresceu 8,8%, percentual acima das médias brasileira e nordestina, que registraram altas de 7,2% e 5,4%, respectivamente.

Em valores absolutos, o rendimento do trabalho paraibano aumentou de R$ 2.198 para R$ 2.392, de um ano para o outro, passando a ser o mais elevado entre as unidades da federação do Nordeste, embora ainda seja o 12º menor do país. O valor médio real do Brasil passou de R$ 2.780, em 2022, para R$ 2.979, em 2023; enquanto a média nordestina aumentou de R$ 1.889 para R$ 1.991, respectivamente.

Já o número de pessoas de 14 anos ou mais de idade que possuíam rendimento de todos os trabalhos passou de cerca de 1,43 para 1,51 milhão, entre 2022 e 2023, representando 35,1% e 37% da população residente no estado, respectivamente.

Além dos residentes na Paraíba que, em 2023, tinham rendimento do trabalho, havia um contingente de cerca de 1,33 milhão de pessoas (32,5% da população) que recebiam rendimento de outras fontes, cujo valor médio era de R$ 1.349, superior à média regional (R$ 1.305). No cenário nacional, o valor médio do rendimento de outras fontes era então de R$ 1.837.

G1 PB

WhatsApp
Telegram
Twitter
Facebook

Mais lidas

1

Imagens de satélite mostram antes e depois da destruição na Grande Porto Alegre
Digite o assunto de seu interesse: